segunda-feira, 21 de junho de 2010

Impróprio para menores

A estação quente aportou agora por aqui e isso deixa mamãezinha acesa feito pirilampo. Cada mato deserto e escuro que passo daria um bom lugar para um fudenique. Por algum motivo que eu não sei qual é, imagina-se que sexo ao ar livre seja coisa de adolescente ou pós-adolescente sem dinheiro para pagar um motel. Ou coisa de tarado que queira publicitar sua libido nos youtube da vida. Nada disso, crianças.

Imaginem vocês que, numa clara noite de luar do verão passado, estava euzinha com meu garanhão a circular pelos pinhais à procura de um bom e ermo lugar onde pudéssemos dar vazão ao nosso furor selvático, já prevenidíssima com o meu kit-fudenic - entenda: uma manta para forrar o chão, evitando assim as indesejáveis formigas na bunda, um vinho tinto do bom, pra ajudar a entrar no clima, uns queijinhos e uns moranguinhos, para dar um tchan à coisa - quando damos de frente com um carro conhecido. Ok, mudamos de direção e seguimos por outros atalhos, picadas, caminhos. Encontramos uma clareira que era a cara dos escritos do Monteiro Lobato: sempre há uma clareira nas picadas por onde Pedrinho anda. Pois bem, concordamos que a tal clareira era ideal para nossas práticas libidinosas quando, já de kit na mão, e calcinhas no joelho, percebemos que não éramos os únicos. Mais alguém brincava de "A Cuca vai Pegar" naquela floresta.

Fala sério! Eu moro numa aldeia! Eu deveria ser a única representante da sem-vergonhice local. Sou brasileira, vendida em cartões postais de fio dental e filmes pornôs sem fio nenhum. Venho do país onde tudo pode, pensam os desavisados, que nunca pisaram o pé europeu em solo tupiniquim mas de tudo sabem, de tudo entendem. E eu ainda tenho que disputar espaço com os defensores da boa imagem e da família?

Não adiantaria nada gritar e espernear. Mudamos de clareira. Não foi a mesma coisa, mas eu não voltaria com meu kit intacto para casa, nem a cacete. Sou brasileira, não desisto nunca!

Verónica Vidal (com ajuda de Penélope Charmosa, é claro, porque eu não escrevo estas coisas de sacanagem, não)