quarta-feira, 8 de abril de 2015

E por falar em Amor...

A renovação da vida sempre me fascinou. E cada dia mais. Somos todos sementes, somos todos transformados dia a dia. A vida nasce e morre, todos os dias. Jamais viveremos o ontem e o hoje é o amanhã que tão ansiosamente temíamos ou que tão desesperadamente desejávamos. O que realmente importa, o que realmente permanece, é o amor. Este sim, cresce e pulsa dentro de nós, transborda de tal forma que contagia os que estão à nossa volta, os que estão um bocadinho mais distante, mas sentiram a doce brisa que irradiamos. O amor é multiforme, ele se expressa no olhar, nas ações, nos cuidados e nos sorrisos, na aceitação de que não há ninguém perfeito e que cada pessoa é o que é e o conjunto das diferenças é que faz o bonito ser tão belo.

Dia 10 de Abril minha avó Alice completará, com a graça de Deus, 94 frutíferos anos. Desta vida rica e cheia de amor, foram gerados 8 filhos que lhe deram 20 netos e 16 bisnetos sendo o mais novinho deles o Pedrinho, nascido de fresco, com apenas 1 mês e cheio de amor para dar. Cada um com a sua porção de maridos ou mulheres e ali não há discriminação: Todos somos tios ou primos.

Já toda a família está alvoroçada em torno da festa de aniversário da vovó, num rebuliço só, onde todos falam de tudo ao mesmo tempo e acabam se entendendo mesmo assim. É que agora, a varanda da vovó foi transportada para o whatsapp. Ficamos ultramodernos e o papo da varanda precisava continuar, apesar das distâncias e das limitações de cada um, o amor deu um jeito de transpor esses limites e fez com que Brian Acton e Jan Koum criassem o whatsapp só para que nós continuássemos o nosso conversê - sorte deles, venderam o aplicativo e ficaram riquíssimos. Esse é o poder do amor!

Nós, os netos que tivemos o privilégio de crescer tendo a vovó a ajudar nos preparativos das nossas festinhas de aniversário, sabemos da importância e de toda a ansiedade gerada em torno da festa. Até mesmo as gerações mais novas, que já chegaram com os buffets e grandes eventos que substituíram o bolinho com guaraná, foram contaminadas pela sapequice da festa. Os agregados, que não nasceram da barriga mas que se amontoam nos espaços quentinhos do coração, já adoeceram da doença da festinha, que sempre vira um festão. E cada um leva um prato. Todos participam. A família ficou chique, a casa da vovó virou mansão. E Deus resolveu que era melhor recauchutar a saúde de quem não andava muito bem. Mandou tirar uma pedrinha daqui, desentupir uma veia ali, consertar um ossinho acolá, só para que a festa da vovó fique perfeita.  Pode ser difícil de imaginar, mas quem por lá passar, saberá que o que eu digo é verdade. A casa da minha avó é mágica. Pode ser que o riso que por lá ficou e nunca de lá saiu entranhou-se nas paredes trazido pelo vento que atravessava o pau-que-ri. É por isso que a casa brota vida e riso. É um bebê que nasce e outro que ensaia seus primeiros passos. É a tia que esqueceu sua história mas é tão cercada de carinho que a sua história de amor, essa não lhe deixam esquecer.

Vejo tudo de longe, mas não alheia. Minha avó hoje demonstra seu amor e aprovação com sorrisos e gestos. Sua voz cansada já nos aconselhou o suficiente e sua vida simples mostrou-nos a importância dos laços de carinho e zelo pelo exemplo. Sua grande família agora, espalhada pelo Brasil e fora dele, mantém-se acorrentada por doces e invisíveis elos de união, de desejo de estar junto, de um perdoar alguma coisa que se fez em nem se lembra o quê, de celebrar a vida, de amar. Amor é o cuidar daquela pessoa que temos ao nosso lado, e que já não nos pode ser útil fisicamente, muitas vezes nem intelectualmente. Mas cuidamos porque amamos, só por isso e nem mais. Não vamos receber um benefício fiscal nem uma herança nem uma medalha. Amor é perguntar no whatsapp: ela precisa de fraldas? Qual é o tamanho? Amor é fazer tudo isso e ser feliz.

Verónica Vidal - neta, filha, sobrinha, prima, esposa, mãe, etc... tenho um imenso orgulho da minha família, daquele pedacinho de céu, onde todas as tribos, povos e raças se reúnem para celebram a vida. Feliz aniversário, vovó!